terça-feira, 23 de abril de 2013

O epifenómeno José Modesto

José Modesto está hoje para a vida política em Matosinhos como os chorões para o farol da Boa Nova. Ou seja, não se destaca tanto na paisagem mas faz parte dela. Modesto à parte, reconheço alguma responsabilidade minha neste epifenómeno pois sugeri-lhe alguns passos que teria de dar para aparecer na tal paisagem. Por exemplo, comparecer às assembleias municiais. Hoje, não há assembleia municipal ou de freguesia que não conte com um discurso do José Modesto. Uma figura da política matosinhense que já deu entrevistas às televisões, foi manchete no "Jornal de Matosinhos", perdão, e que agora volta à carga no "Jornal Audiência". O Modesto é do PSD mas pouco. Acho que ficava bem melhor no PS pois está visto que em Matosinhos só tem futuro quem pertencer à mercearia, que o diga a amiga do Carlos Alberto. Modesto vai longe e, modéstia à parte, bem merece pois, à sua maneira, se calhar um bocado naif, exerce o que podemos chamar cidadania. É um cidadão interessado, empenhado e entusiasmado. Acredito que um dia vou votar nele e espero que seja eleito e tenha para mim um lugar qualquer na Boa Nova, quiçá a guardar os chorões.

PS - A "Onda" está aí. A Guilherme Pinto só falta mesmo a prancha para mergulhar no etc.

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Finalmente




Finalmente vamos ter obras na Casa de Chá da Boa Nova. Já chegam tarde. A câmara anunciou que vai gastar meio milhão de euros e propõe-se acabar com os chorões que há anos cobrem o pequeno promontório onde viveram frades franciscanos no século XVI. Quer ainda a câmara colocar calçada portuguesa. É no que dá ter uma chusma de arquitetos a trabalhar na autarquia. Calçada portuguesa porquê? Também não percebo essa obsessão de Siza com os chorões mas, pronto, o homem pode fazer o que quiser, até embargar um bar que há três anos por ali está só porque o senhor arquiteto entendeu que perturbava a sua obra prima. Ok, se calhar estou a ser mauzinho pois até gosto das "coisas" do Siza mas há limites para tudo e nesta altura gastar meio milhão de euros na requalificação da Casa de Chá é quase pornográfico. As obras vão começar e ficou a garantia de que irão durar apenas dois meses. Cá estaremos para ver.
 

quarta-feira, 17 de abril de 2013

A "Farmácia"

O Júlio Pinto da Costa procura - e bem - sempre falar das coisas bonitas e saudosas de Matosinhos. Da nossa terra. E no FB escreveu uma recordação da famosa equipa de famosos frequentadores da "Farmácia", a Adega Campos que começou com um pequeno anexo para servir a merenda de bacalhau frito a alguns empresários conserveiros, incitados pelo Anibal Pinto de Almeida (Patelinha), também faz parte das minhas recordações. E vou contar uma.
Tive a infelicidade do brigadeiro Passos Esmeriz, na madrugada de 10 de Maio de 1974, me indicar, para fazer parte da Comissão Administrativa da Câmara de Matosinhos. Um dia, fomos visitados por três secretários de Estado, entre os quais o arq. Ribeiro Telles. O presidente da CA - o saudoso dr. Miguel Martins - pretendeu oferecer um almoço e pediu-me um conselho. E eu dei: Farmácia Campos. Ele torceu o nariz, mas como o eng. Orlando Gomes foi de igual proposta, lá fomos todos almoçar ao famoso local. O arq. Ribeiro Telles, que eu acompanhava, quando entrou ficou confuso. Mesa comum e uma barulheira infernal. Na madeira do tampo da mesa a panela da sopa e o Manel a informar que o prato do dia era o célebre "Bacalhau de Caralho ao Ombro". E disse-o em voz alta. O arquitecto saltou. Mas a comida chegou e o arquitecto limitou-se ao andamento do garfo e do copo, até que me perguntou: como se chama esta rua? E de imediato me informou que quando viesse com a família ao Norte um dos destinos seria a Farmácia, rematando: a comida aqui é uma maravilha e, já agora, o ambiente também.
Mas há mais histórias que eu contarei. Se não for tomado como um chato das saudades.
 
* Cá fica mais uma das histórias do meu "velhote" Joaquim Queirós, espero que gostem.

terça-feira, 16 de abril de 2013

Perafita como nunca a viu

http://vimeo.com/64155222

Ver aqui mais um reencontro com a história pela mão de Joel Cleto.

terça-feira, 9 de abril de 2013

Leixões envergonhado

O Leixões foi punido com um jogo à porta fechado por atitudes racistas dos seus adeptos. É evidente que não somo um clube racista e que a porca torce sempre para o lado dos menos fortes. Mas também todos sabemos que a claque do Leixões continua a prejudicar gravemente o clube, sendo o pior dos embaixadores de Matosinhos e tendo já sido o motivo de uma série de multas pesadas que muito custam a pagar. Não vou dizer muito mais sobre esse grupo de apaniguados que se sentem acima de qualquer leixonense, apenas aqui venho lamentar mais uma vez que essa malta continue a ser apoiada pelo clube que prejudica. Mas sinto que ficarei de novo a pregar no deserto com o rótulo de besta. Não faz mal. Pelo menos sigo de consciência tranquila.

Mais uma palhaçada

Esta palhaçada interrompeu o trânsito na Ponte Grande e obrigou quem vinha no sentido Sul-Norte a fazer um desvio para o IP5 e a pagar a SCUT da A 24. Mas ok: parece que o nosso presidente Guilherme Pinto gostou de ser pintado à pistola.

segunda-feira, 1 de abril de 2013

Boas notícias para Narciso, mas...

Sondagens são sondagens e em Matosinhos elas falham muito pois sobretudo quando são feitas no jeito de encomenda.
Esta, agora divulgada pelo JN, num intervalo da sua campanha por Menezes, Narciso Miranda surge na frente embora com uma vantagem pouco expressiva sobre Guilherme Pinto e António Parada. É uma boa notícia para Narciso mas o resultado continua a ser curto (lembre-se que nas últimas eleições teve mais de 30%). O que é interessante nesta sondagem é ver o eleitorado base do PS dividido entre Guilherme Pinto e Parada, no tal somatório que ronda os 40% que costuma dar a vitória à "Mãozinha" no nosso concelho.
Uma primeira leitura destes resultados, num momento em que ainda não se sabe se Guilherme avança como independente, o que será difícil, é que Narciso tem nestas eleições mais condições para sair vencedor, caso aproveite a fractura do PS, muitos votos do PSD (mais uma vez com um fraco candidato na liça) e de descontentes, para além, oviamente, dos habituais narcisistas. Por isso mesmo é que o dux de Bouças continua na expectativa até que se definam todas as forças. Apesar da sua aproximação a Parada, uma recandidatura de Narciso como independente não está posta fora de causa e sondagens deste tipo só lhe dão mais força.
Uma nota ainda para o interessante resultado da CDU e para o eclipse do CDU de Coutinho, o administrador da empresa municipal dos bairros sociais.