sexta-feira, 28 de junho de 2013

Entrar a pés juntos

Jogo perigoso, diz-se no futebol, sobre o título com que me estreio no PdL. E, em ano de Autárquicas em Matosinhos, consta mesmo que é jogo perigoso escrever o que seja cá na terra. Não faz mal. O árbitro perceberá que a intenção foi apenas jogar a bola e, no máximo, serei advertido com um cartão amarelo ou com aqueles avisos gestuais, veementes, mas que resultam em nada, na prática.



Desde "A Lota" que as Autárquicas em Matosinhos são, em alguns sectores da política de Bouças, parecidas com um circo. Hoje mesmo, Guilherme Pinto tem mais uma abertu
ra de página no JN, porque pretendia fazer campanha de borla, à custa de uma iniciativa para apelar à doação de sangue, com mupis espalhados pelo concelho. Sónia Araújo, Joel Cleto e Guilherme Pinto seriam algumas das figuras. A Sónia é muito bonita e é uma figura pública, o Joel Cleto sabe de história e é admirado pela maioria das pessoas que vêem o seu programa e lêem o que escreve. Guilherme Pinto ainda é presidente da Câmara e candidato, mais nada. O Ministério da Saúde, numa atitude rara de bom senso, não o permitiu.

Mas o circo não se fica por aqui. Na última Assembleia Municipal, os deputados municipais do PS acusaram a autarquia de facilitar a especulação imobiliária por causa do negócio com gasolineiras em Matosinhos Sul. Sim, leram bem. Deputados municipais do PS que até há dois meses aprovaram toda a construção desenfreada que foi efectuada naquela zona e não só, nos últimos 37 anos. Acordaram agora, que o seu presidente passou a mais ou menos independente. Andam também a circular pelas redes sociais, através da campanha de Parada, os ajustes directos feitos pela CMM, como se até há dois meses Guilherme Pinto não fosse PS, ou como se o PS não fosse PS antes da nova concelhia e das novelas que se lhe seguiram.

Voltando ao futebol, que é coisa cara a mim e ao Eugénio - a quem aproveito para agradecer o convite para aqui debitar caracteres neste espaço. Há uma enorme agitação no mercado, com o aproximar do fim da época de inscrições. Ao que parece, o homem do CDS de Lavra passou a alinhar com Guilherme Pinto, o CDS transferiu Manuel Maio de Ramalde para candidatar-se a Matosinhos, Olga Maia prepara a saída da MatosinhosHabit para voltar a candidatar-se a Perafita, Parada espera ansiosamente por Narciso para ganhar balanço.

O PSD, pronto. É o PSD e não conta para o totobola, por muito que o seu candidato, ex-deputado na AR, tente descolar-se do desastre em que o seu governo está a deixar o país, de braço dado com o CDS.

Na CDU, a campanha decorre normalmente, com os meios possíveis, sem os outdoors mas com a seriedade, o contacto com as populações e a luta constante por um concelho melhor, num processo de escolha de candidatos que decorreu sem sobressaltos, sem candidatos naturais e com todfa a tranquilidade. A apresentação dos candidatos às quatro Uniões de Freguesia será efectuada a 6 de Julho, na Junta da Senhora da Hora, pelas 15h00, e estão todos convidados.

PS: aproveito para divulgar que informei o Eugénio, após o desafio que me lançou, que sou candidato à União das Freguesias de Matosinhos-Leça da Palmeira pela CDU* e coloquei a hipótese de iniciar a minha contribuição apenas após as eleições, em primeiro lugar para não prejudicar o Eugénio de que forma fosse e depois o blogue. O convite manteve-se e eu aceitei.

Não esperem isenção, esperem a minha visão dos factos, sejam eles quais forem. Não esperem festinhas nem fretes, esperem as minhas convicções, que tenho muitas e firmes.

*Um comentador disse que faltava eu assumir que sou, e cito, "militante da CDU". Está feito o reparo.
Enviar um comentário