sábado, 3 de outubro de 2009

O PROGRAMA DA CDU


A CDU foi a única força política que me fez chegar ao email o seu programa para Matosinhos. Trata-se de um documento bem feito no qual ressalta de início a obsessão dos comunistas com os ultra comunistas, ou seja, com o Bloco de Esquerda. Lembra a CDU que nas últimas autárquicas o Bloco estava à sua frente nas sondagens e depois quedou-se na quarta posição, sem vereador. Quer-me parecer que desta vez será muito difícil a CDU conseguir ir muito para além dos 9,17% dos votos conseguidos nas últimas eleições. Entrar na casa dos dois dígitos será histórico mas, quer-me parecer, para o Bloco de Esquerda! Não o conseguirá propriamente por inércia, pois parece que o deputado municipal Fernando Queirós foi muito combativo nos últimos quatro anos, mas um pouco à boleia da dinâmica do BE em todo o país. Mas essa é outra guerra. Lendo o programa da CDU dá para perceber que houve o cuidado de fazer o diagnóstico da situação económico-social de Matosinhos antes de partir para as alarvidades do costume. É algo que apena fica bem aos nossos comunistas. Porém, mais adiante também é possível vê-los a defender projectos que não passam minimamente pela esfera da autarquia (o alargamento da Via Lenta, por exemplo, prometido há dez anos por Narciso Miranda...) ou a intervenção em áreas afectas à APDL, à Petrogal ou ao Aeroporto do Porto. Ok, o que conta é intenção e acredito que os nossos comunas vêm por bem. Chama ainda a CDU o papel de "única oposição" na vereação e tem toda a razão pois há largos anos que o PSD, de forma até abjecta, se vem colando ao poder após as eleições, do que resultam mesmo transferências para os socialistas, cargos em empresas municipais e outras benesses. Aliás, é fácil perceber a presença de muitos laranjas com peso no partido, a nível local, na entourage de Narciso Miranda. É esta a "confiança" que o PSD de Matosinhos tem conseguido transmitir aos seus eleitores... Não posso concordar com a CDU, será melhor dizer PCP pois a coligação é uma forma de esconder atrás da melancia a foice e o martelo, quando critica a instalação da PSP num contentor em Leça da Palmeira - meus amigos, a presença efectiva da PSP já tinha sido prometida há muito tempo para a zona norte da cidade de Matosinhos e agora que aconteceu o problema é do hardware e não do software. Haja bom senso. Insurge-se ainda a CDU, ou PCP amelanciado, com o facto de a CMM ter contraído um empréstimo de 5 milhões de euros. Ora bem, só quem não conhece a realidade é que pode dizer que a CMM se hipotecou. 5 milhões é uma migalha, sobretudo se comparado com o nível de endividamente de outras câmaras, algumas já em gestão controlada. Isto é querer pegar de cernelha o que não se pode agarrar pelos cornos. O problem da CMM não é de finanças, o problema da CMM é um problema de execução e de ideias. Ora pode executar-se e não há ideias. Ora há ideias e não se pode fazer. Às vezes, por fortuna, junta-se o bom ao óptimo. Concordo plenamente com a CDU, ou PCP, quando toca a questão das guerras intestinas (mais do grosso que do delgado) do PS e relembra que em 2003 Luísa Salgueiro, Fernando Rocha e Guilherme Pinto estavam incondicionalmente ao lado de Narciso Miranda e contra Manuel Seabra. Pois é, é a porca da política mas ninguém pode criticar ninguém por ter tido uma REVELAÇÃO. Terá sido o caso. A CDU afirma-se ainda como único alternativa política e se calhar tem razão. O PSD jamais será nas condições em que opera em Matosinhos e o Bloco de Esquerda está ainda verde. Mas o facto de ter a única alternativa não quer dizer que seja a alternativa... Honório Novo gosta de termos fortes e fala de "pântano político" em Matosinhos. Mais uma vez exagerou. Não é um pântano - trata-se apenas de um lameiro... Propõe ainda a CDU, ou PCP, a extinção das empresas Matosinhos/Sport e Matosinhos/Habit. Sobre a segunda não posso falar pois nunca tive casa chave na mão e condomínio pró Batalha. Sobre a primeira posso dizer que estou muito satisfeito: desfruto de uma das sete piscinais municipais com qualidade e a minha filha já fez férias muito giras sob essa estrutura. Para quem nunca teve nada do município, para além de uns livros que o F. Rocha de vez em quando tem a atenção de me oferecer, já foi alguma coisa. Só para terminar, a CDU propõe-se ainda isentar empresas de taxas de derramas em nome da recuperação da economia mas mais uma vez entramos num campo escorregadio. Como todos sabem, uma câmara pode apenas dar uma ajuda nesta matéria que é de exclusiva responsabilidade do poder central. Quando muito, uma câmara pode propor a criação de parques industriais e faciliar, como aconteceu, e muito bem, com a JP Sá Couto, a vida de empresas que geram emprego e que se distinguem aqui e na Venezuela. José Pedro Rodrigues e Honório Novo merecem o melhor e mais uma vez obrigado pela atenção. É bom sentir que o comunista ao nosso lado até é um tipo porreiro.
Enviar um comentário