terça-feira, 19 de maio de 2009

CLUBE MED


Constou-me que Joaquim Jorge não ficou muito satisfeito com o meu registo impressivo sobre a última assembleia dos pensadores. Confesso que fiquei preocupado pois tenho-o como uma pessoa com amplo sentido crítico e bom poder de encaixe. Mas todos temos os nossos dias. Curiosamente, hoje, ao fazer a barba, recordei-me de um estranho sonho durante o qual mantive este diálogo com JJ:

- Olá Quim, obrigado por teres aceite este convite para te sentares aqui ao meu lado nesta praia do Pacífico Sul durante o meu 17.155 sonho, embora me digam que tu aceitas tudo.
- É verdade, caro amigo, o meu clube é verdadeiramente democrático.
- Dizem que tens lá nazis e até bichas...
- Isso não sei. O que te posso dizer é que o espectro é imenso.
- E que um dos nazis até é bicha, o que é interessante sobretudo para aquela teoria que defende que o Hitler dava para dois peditórios.
- Isso não sei. O que sei é que o clube dos pensadores é um espaço livre e cada vez maior.
- Se está livre como é que é cada vez maior?
- Pensa, pá. Tens faltado a algumas sessões, já vi.
- Troca lá isso por miúdos ou, se preferires, não sei se é o caso mas parece que sim, por miúdas.
- É assim: a liberdade é uma entidade colectiva e o colectivo é uma entidade libertária.
- Ok, tens jogado no euromilhões?
- Não.
- Logo vi. Mas olha que há tratamento para isso. Adiante: ouvi dizer que queres ser presidente da Câmara de Matosinhos?
- Ò pá, eu não quero nada, porque o nada...
- Já chega. Vamos a coisas concretas: tens alguma coisa contra o Narciso?
- Nada, porque o nada...
- Chega. Quem nada são os peixes e farto de sermões já eu ando. Concretiza.
- O Narciso irrita-me porque está sempre a roer as unhas e eu, como biólogo que sou, sei bem o que se pode alojar ali.
- Por exemplo...
- Culiformes fecais.
- Merda, queres dizer?
- Sim.
- Bem, já suspeitava.
- Mas não tenho nada contra o homem, embora contra o ente...
- Quim, c..., deixa-te de filosofias de mercearia, não precisas de armar, já sabemos que és o melhor intelectual de S. Mamede e do Padrão da Légua. Diz-me só mais uma coisa: engatas muitas gajas com os teus convívios?
- Caro amigo, sou um homem bem casado, Não preciso, como outros, de andar a petiscar.
- Mas aparecem algumas balzaquianas interessantes na tua fraternidade...
- Isso não me interessa, o que importa é o debate, a metafísica do discurso...
- C...! Não te deves masturbar muitas vezes para estares com essas coisa. Segue o meu conselho: uma p... por dia dá saúde e alegria.
- Mas...
- E se uma não chegar, toca duas. Vai por mim ou vem-te por mim, grande pensador.
- O que é que andas a tomar?
- Nada.
- Pois, o nada...
- Chega. Vamos é tomar um fino com o Modesto, que o homem foi o primeiro no curso de Rangers e nesta altura dá um certo jeito este tipo de protecção.
- Foi ranger o Modesto?
- É verdade. A serra das Meadas nunca mais foi a mesma depois da sua passagem por lá. Consta que ainda ali está atracado um navio de contentores.
- Isto de ser ranger é quase tão bom como ter sido capitão de Abril.
- É melhor. A farda dos rangers é afrodisíaca.

Enviar um comentário