domingo, 23 de agosto de 2009

QUEM NÃO SE SENTE...


Entre 2003/4 apareceu o NAPESMAT (Núcleo de Amigos dos Pescadores de Matosinhos), composto na sua maioria por pescadores, familiares e amigos, com o objectivo de preservar, dignificar e lembrar a memória da classe piscatória, e, dar a conhecer a importância do Porto de Leixões, pouco divulgado, na vida dos pescadores e no desenvolvimento, das indústrias das pescas e conservas.
Começamos tarde! Em 09.06.2004, um mau perdedor, dá origem ao desbastador "Caso da Lota"! Em simultâneo com esta dramática ocorrência, que denegriu a imagem de Matosinhos e das gentes do mar, decorria o primeiro evento com o nosso patrocínio, "EXPOSIÇÃO - Memória de um Passado Recente.
Entretanto, após um jogo de seis meses de promessas para nos receber, o então Presidente da Câmara, Narciso, entre convites, telefonemas, evasivas, vai-não-vai, primou-nos pelo alheamento, deixando-nos a fazer figura de parvos, durante uma tarde em que recebemos a cordial visita do SR. Governador Civil do Porto, na altura o Dr. Manuel Moreira.
Não esqueci…! Fomos envergonhados e desacreditados! Nem só o mar é traiçoeiro!
Depois de uma intensa e reconhecida actividade, organizamos a 25 de Abril de 2007, uma nova exposição, "…donde vem essa voz…oh mar amigo?", e, registamos com muita mágoa e indignação, mais um ataque febrilmente arquitectado por essa figura, durante um dos seus repastos de "arrebanhamento" de sexta-feira, mas, serenos, e decididos continuamos.
Até hoje, só a morte, a doença e a idade de alguns dos nossos queridos amigos, nos tem deixado, compreensivelmente tristes.
Nestes últimos quatro anos, sempre que o NAPESMAT empreendeu uma iniciativa, apareceu o homem propagandeando o seu altruísmo demagógico, metendo a foice em seara alheia, como aconteceu recentemente a 28.05.2009. Andavamos a trabalhar afincadamente na organização das Comemorações do Dia do Pescador, e, ele, oportunista, a palrar, sobre o assunto, na rádio e pelos jornais.
Todos os dias me chegam gritos, clamando:
-Exigimos respeito e muito recato para lidar com os sentimentos das gentes do mar! Apesar de cândida e ingenuamente sonhadores, temos dignidade, não somos papalvos..., nem cidadãos de segunda! Já chega de manipulação demagógica!
A 30.05.2009, foi com muita indignação que recebi, uma carta, ornamentada com a poesia de Fernando Pessoa, dirigida ao meu sogro, Mestre Samuel, que faleceu há oito anos. O demagogo, recalca nas Comemorações do Dia do Pescador, e, renova promessas e homenagens nunca prestadas.
Eu interrogo-me:
-O Portinho de Angeiras e o Museu do Mar? Vamos voltar ao tempo dos bordões ao ombro? Por onde andou, esse efémero Secretário das Pescas durante os últimos trinta e tal anos?
- Não quero acreditar...! Será que ouvi falar num, Ordenado para os Pescadores?
Esse..., um dos responsáveis pela sorte dos pescadores que apodreceram no deserto..., não sabe, que estes humildes, não precisam que lhes recordem, a vergonha e os reveses sofridos na luta por este, mais que merecido objectivo, que nem o alvor do 25 de Abril lhes concedeu? Trabalhar e não ter ordenado é/foi doloroso, só quando vinha uma caravela, era uma festa! A panela ia p’ró lume e havia que comer!
Esse..., em que barcos andaram os homens da sua família? Só os que viram os seus mortos com a boca cheia de água, conheceram lenços, xailes, aventais e blusas pretas, podem falar com verdade, na cor das lágrimas dos pescadores!
Com a legitimidade que estes anos de trabalho voluntário, permanente e sério, junto dos da minha classe, me conferem, pergunto:
-Que futuro terá o Núcleo de Amigos dos Pescadores de Matosinhos, com o ingrato candidato Narciso, que degenerou o Partido Socialista, os seus Respeitosos Militantes e Amigos, que tudo lhe deram durante tantos anos?
NOTA: Para evitar qualquer polémica, afirmo, que este artigo, protesta unicamente, contra a candidatura do Narciso, e que suspendo a minha modesta colaboração ao Boletim MARÉ a partir deste número.
Delfim Caetano Nora
Enviar um comentário