quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

A SAÍDA DE MOTA*

Concordo inteiramente consigo caro...anónimo.
A cobardia é mesmo uma coisa muito feia.

Quanto à demissão do José Mota, não me surpreendeu. Há algum tempo que se percebia que o treinador do Leixões andava a patinar. Não que tenha muita culpa mas a verdade é que também deixou as coisas andarem.

A saída de Vítor Oliveira, já quando a época tinha começado, deixou mossa. Oliveira, o treinador, nunca explicou as razões da sua saída e se o tivesse feito provavelmente hoje perceberiamos todos melhor que se está a passar esta época no Leixões.

E o que se está a passar é o seguinte.

O investimento na equipa foi feito à pressa. E com muito pouco dinheiro. Obrigado a vender Beto e Bruno China, simplesmente os esteios da equipa, o Leixões não foi capaz de garantir a continuidade do central Élvis e do ponta-de-lança Roberto. Com esses quatro jogadores a história hoje seria outra.

José Mota fez o que pôde mas a manta tinha muitos buracos e era curta. Permitiu que a equipa entrasse numa onda de indisciplina e isso também prejudicou o clube.

Mota fez história no Leixões, onde fez uma época SENSACIONAL. Os leixonenses têm de estar gratos por isso. Eu não esqueço.

Mas chegou a hora de mudar. Chegou a hora também de Mário Jorge Branco mostrar o que sabe de futebol. Julgo que sabe muito. Está nas suas mãos e na de Castro Santos a salvação.

O Leixões não pode cair na II Divisão. Pode ser o fim. Por isso, os leixonenses devem unir-se nesta hora difícil. Quando a época estiver terminado e a permanência assegurada, então sim: desatem as línguas.

* Depois de uma jornada dominada pela bicicletas
Enviar um comentário