sábado, 26 de dezembro de 2009

A MORDAÇA INGLESA

"A Mordaça Inglesa" foi o único livro que me ofereceram no Natal. Os meus familiares sabem que sou leitor mas olham para mim e rapidamente concluem que o melhor que podem fazer é oferecer-me alguma roupinha. Portanto, no meio de cuecas, peúgas, camisolas e cachecóis lá surgiu também uma mordaça. Inglesa.
Estive apenas duas vezes com Gonçalo Amaral e a minha mãe uma. Bastou-me a reacção da dona Ilídia para fazer um juízo sobre o antigo inspector da PJ. A minha mãe, que tem 71 anos, adora-o! Está plenamente convicta de que GA tem toda a razão quando entende que todos os indícios apontam para um crime acidental e para a consequente ocultação do cadáver de Maddie. Não sei como a minha mãe chegou lá pois tem o tempo mais ocupado que o director de imagem de José Sócrates, entre a lide da casa, as novelas da TVI, a ajuda que dá à minha tia na sua padaria, os netos que de vez em quando lá aterram em casa e, claro, o "tudo incluído" que proporciona ao meu pai no hotel que dirige em Matosinhos. É a minha mãe, e pronto.
Lido o livro, fui automaticamente remetido para o dia 11 de Setembro de 2001. Nunca mais me esquecerei desse dia pois viajei à noite para as Canárias e o meu carro recusou-se a pegar em plena zona de estacionamento proibido de uma gare de Pedras Rubras fortemente militarizada e policiada. Quando me apanhei sentado no avião, confesso que pouco me importava que uma bomba ali explodisse. O que, como já devem ter entendido, não aconteceu.
Lembro o 11 de Setembro porque tem um ponto de contacto com o chamado caso Maddie. Pelo menos no intervalo entre o primeiro e o segundo impacto dos aviões nas torres gémeas. Nesse lapso temporal, o caso foi apenas um terrível acidente. Depois, foi um atentado que se não fez mudar o Mundo pelo menos o deixou menos crente (talvez não seja esta a palavra certa) no seu futuro. Com o caso Maddie aconteceu precisamente o contrário: primeiro foi um crime (de rapto), depois foi um acidente. Um acidente geral. Na sucessão factual e na repercussão do acontecimento mediático. Demos por nós entre a espada (da justiça) e a parede (do instinto natural que nos leva a simpatizar com a dor de qualquer pai ou mãe). Terá mesmo aquela família inglesa, que deixava os seus meninos a dormir sozinhos enquanto se juntava a Pantagruel, inventado um álibi? Gonçalo Amaral acredita que sim. A justiça portuguesa não quer saber. Os pais de Maddie, esses, hoje parecem apenas empenhados em punir Amaral. Sim, porque já todos desistiram de encontrar a menina. Como diz Amaral, Maddie morreu. E ponto. Mas mais uma vez se verifica que a morte não é o fim da história. No caso em apreço, provavelmente até é o seu início.

No fundo, este é apenas mais um episódio da grande comédia humana. E um sorriso, mesmo escarninho, quando muito só poderá ser escondido por uma qualquer mordaça. Se os cães sorrissem, não o deixariam de fazer só pelo facto de estarem açaimados.
Enviar um comentário