quinta-feira, 15 de outubro de 2009

A FAMÍLIA


[Pediu-me o ilustre administrador do Porto de Leixões um comentário aos resultados eleitorais no concelho de Matosinhos. Aqui fica. Podem ler, mas no final não se queixem da perda de tempo]

E que tal começar por uma coisa verdadeiramente assustadora? O partido vencedor das eleições autárquicas em Matosinhos somou… 73,01% dos votos e elegeu nove dos onze vereadores. Uma coisa assim ao estilo de Oleiros (PSD, 75,16%) ou de Proença-a-Nova (PS, 76,56%), terras onde impera o pensamento único e a obra feita de um cacique qualquer.Está louco, pensarão alguns. Meteu-se nos copos, acrescentarão outros. Se assim pensaram, fizeram mal. Não vale a pena prosseguirem no caminho da intriga e da calúnia. Então a soma do resultado do socialista “do aparelho” (42,31) com o do socialista “do coração” (30,70%) não é isso (73,01%) que dá? As faces da moeda estão sempre de costas voltadas, mas não deixam de ser faces da mesma moeda...Se quiserem, em vez de metáforas posso dar exemplos: alguém conseguiu distinguir uma divergência política de fundo entre Guilherme e Narciso durante a campanha eleitoral? Não me refiro obviamente a considerações filosóficas sobre transparência ou modernidade, nem a trocas de galhardetes que fazem lembrar as peixeiras da lota. Refiro-me a políticas concretas. Daquelas que fazem o dinheiro mexer.Não foram ambos responsáveis pela política de betonização de Matosinhos-Sul, esse massacre em forma de quarteirão, em detrimento da criação de um espaço urbano harmonioso? Não são ambos responsáveis pela transformação da Câmara e das empresas municipais em agências de emprego, fontes inesgotáveis de contratos sem concurso e de controlo de clientelas? Não são ambos responsáveis pela misturada entre política e futebol, ao ponto de transformar a Câmara em accionista e portanto proprietária de passes de futebolistas? E para que não pareça que vivemos num Inferno, não foram ambos líderes autárquicos vocacionados para as políticas sociais, para o investimento na educação, para a promoção da cultura, que fizeram de Matosinhos um dos concelhos da Área Metropolitana do Porto com melhor qualidade de vida?Veja-se pelo lado que se queira ver, negativo ou positivo, são faces da mesma moeda. Por isso a primeira preocupação, a de nestas eleições ter soçobrado a diversidade em favor do pensamento único da família socialista [mais família que socialista]. Mesmo que o PSD se tenha limitado a tentar colonizar Matosinhos com uns marcianos de Gaia, mesmo que a CDU tenha sido vítima de si mesma e da bipolarização, mesmo que não tenha dado para fixar sequer o nome do bloquista, mesmo assim, um pouco mais de diversidade não faria mal a ninguém.À parte estas teorias mais ou menos disparatadas, ganhou Guilherme Pinto, perdeu Narciso Miranda. Guilherme Aguiar serviu de bombo ou bobo da festa (escolham vocês) e Honório Novo pode dedicar-se em exclusivo à Assembleia da República, como aliás pretendia. E o que aconteceu aos votos que eram normalmente colocados no quadradinho do PSD e da CDU? Dividiram-se. Uma pequena parte terá sido desviada para Narciso, a maior parte terá optado pelo chamado voto útil ao contrário, ou seja, votou no PS “oficial” para derrotar o PS “oficioso”. O povo, comprova-se mais uma vez, é pouco dado a regressos messiânicos.Teorias sem pés nem cabeça? É como todas…
RAFAEL BARBOSA, jornalista do JN
Enviar um comentário