segunda-feira, 12 de outubro de 2009

ESMIÚÇANDO O SUFRÁGIO


Vamos então aos números.

O PS não ficou longe da maioria absoluta mas acabou por ser penalizado pela forte transferência de voto do PSD/CDS para a candidatura de Narciso Miranda, esta coligação deu à morte Guilherme Pinto mas acabou perdida no seu labirinto. Não sei o que disse Guilherme Aguiar desta derrota. No lugar dele não dizia nada e ficava apenas à espera de um telefonema de Guilherme Pinto...

Lamentavelmente, o PCP perdeu o seu vereador. É uma injustiça. Há muitos anos que esta força se afirmava, no executivo, como uma oposição activa e atenta. Não sei para onde foram os seus votos mas suspeito que reforçaram a candidatura do poder, o que não deixa de ser irónico.

Na eleição para a Assembleia Municipal, onde são aprovados os grandes projectos para Matosinhos, Guilherme Pinto conseguiu 14 mandatos, Narciso 10, o PPD 7, com PCP e Bloco a somarem um vereador cada uma das forças. Mas como os presidentes de junta eleitos têm assento na assembleia, o PS sobe de 14 para 23 mandatos e fica com uma maioria absoluta que vai dar muito jeito.

Nas freguesias, Rui Lopes foi o campeão do PS, com 46,7% dos votos, deixando a senhora da farmácia a quase 23 pontos! Fantástica performance...

Desta vez António Parada teve de se contentar com o 2.º lugar. Comandou largamente nas mesas de votos dos mais novos mas foi penalizado nas mesas dos quotas. Ainda assim, 44,9% é um bom resultado, deixando Crispim nos 28,2%.

O PS apenas perdeu Lavra. Mesquita não dá chances a ninguém e ganhou com 41,44%, em completo contraciclo com a débacle do seu partido.

Só na Senhora da Hora, em Leça da Palmeira e Leça do Balio o PS não conseguiu mais de 40% dos votos. Mas ganhou. Pedro Sousa, no lado norte da cidade de Matosinhos, deu dez pontos de avanço a Abel Soares e Araújo aguentou-se bem no mosteiro (38,52). Bom resultado também para o PS em Guigões, com 44,41%, enquanto em Santa Cruz, a freguesia com menos votantes, a média da freguesia foi também superior à percentagem da câmara (43,9%). Na Senhora da Hora, Alexandre Lopes deu luta mas não chegou, pois o PS ganhou com o seu pior score (33,5). Também foi aqui que o PSD conseguiu o seu melhor resultado (22,1%) e o facto de não ter transferido para a candidatura independente tantos votos como na câmara acabou por ser, na minha perspectiva, decisivo. Lopes tem de mudar de óculos.

Falta falar só em S. Mamede. Uma vitória tranquila (40,36%), com mais 15 pontos de avanço que a concorrência.

Lendo os resultados, dá para perceber que o score de algumas freguesias se transferido para a câmara daria ao PS maioria absoluta. Guilherme Pinto ficou a saber mais uma vez que tem de continuar a apostar nos fregueses, pois aí é que está o país profundo...

Enviar um comentário