domingo, 1 de fevereiro de 2009

MATOSINHOS AO RUBRO


Bem, o PSD já tem candidato à Câmara.
Não é propriamente uma surpresa mas é claramente um candidato de peso.
Nas últimas autárquicas, o PSD teve 30,85% contra 47,35 do PS. As contas são fáceis de fazer, se o eleitorado do PS se dividir entre Guilherme Pinto e Narciso Miranda, cada um deles terá 23,17%. Ou sejá, há aqui uma margem de quase oito pontos para uma vitória histórica dos laranjas em Matosinhos, cujo máximo atingido foi 31,64% em 2001. Não se sabe como estará o governo e o país em Outubro mas não é preciso ser bruxo para se prever que estarão piores. Como tal, parece natural que o eleitorado do PSD se mantenha coeso e que ele se juntem mais alguns. Um candidato forte, como o que vem aí, com uma grande máquina às costas, só ajudará a compor o cenário.
Com Narciso definitivamente no terreno, atingiu-se o ponto de não retorno. Agora não há volta a dar. O homem vai mesmo a votos e promete uma campanha...alegre. Guilherme Pinto gastou o seu último cartucho há poucos dias, quando disse não acreditar que o seu ex-patrono ia mesmo em frente. Tal como aqui já se disse há muito tempo, vai mesmo. E para rachar.
Resta também saber o que podem o PCP e o Bloco de Esquerda, que valem 15% dos votos, fazer nas próximas eleições. Coligados e com um bom candidato até podiam sonhar em bater Guilherme e Narciso...
Bem, nem de propósito, parece que a última sondagem dá a Narciso uma marca, ou um marco, entre os 40 e os 45. Não é maioria absoluta mas chega para ganhar. Se for assim, e ainda é muito cedo para se pensar que será, o PS e o PSD disputarão o segundo lugar...
Enfim, isto está ao rubro.
As únicas certezas são estas:
- Narciso avança e vai ter candidatos nas dez juntas.
- Guilherme será o candidato do PS com a actual equipa.
- O PSD já tem candidato e aposta forte, com uma forte componente futeboleira (Américo Jorge na junta de freguesia e Nicolau Vaqueiro na de Guifões).
A grande novidade poderá ser, em breve, a posição que Narciso vai tomar sobre o...Leixões. E Carlos Oliveira. Uma surpresa completa. E mais não digo.
Enviar um comentário