sábado, 11 de outubro de 2008

PUTEDO NACIONAL


Sinceramente, esta história dos casamentos de homossexuais aborrece-me. Como o casamento em geral. Panascas e fufas, por mim estais à vontadinha. Deus não vos deixa subir ao altar - embora continuemos sem saber o sexo dos anjos... - mas não sou eu que vos impedirei de subir ao cartório do registo civil. É apenas mais um papel, mais um compromisso...o resto é cama, convívio e umas estaladas de vez em quando. Isto quando a coisa não descamba para uma machadada ou um tiro de caçadeira de canos cerrados. Como dá para ver pelas notícias de jornal e pelo que contam os nossos vizinhos, o casamento é uma instituição que está bem e que se recomenda. Não querer que os excêntricos que gostam de abafar a palhinha ou que usam a língua e o dedo não entrem neste filme é francamente desolador. Toda a gente tem direito a mandar-se contra uma parede com a consolação de que o fez, sim senhor, mas primeiro assinou um papel. Não tenho é paciência para os sacristas que um pouco por todo o lado aparecem a defender "a instituição" e que certamente têm muito mais dinheiro do que eu para gastar em putas.
Enviar um comentário