segunda-feira, 13 de outubro de 2008

ESTE GAJO É UM ANIMAL!


Estava aqui à volta dos meus papéis - e só eu sei como isso é complicado - quando descobri duas folhas a propósito de um processo que Narciso Miranda, então ainda Governador Civil das terras de bouças, enviou para a Alta Autoridade para a Comunicação Social. A propósito de crónicas que escrevi no "Matosinhos Hoje", na "Ocidental Praia". Narciso queixava-se de ter sido insultado por este humilde servo da gleba. Nomeadamente de o ter considerado "um autarca do jurásico" e "um exemplar perfeitro dos malefícios de um 25 de Abril feito à pressão", que pensa "que a democracia é um estatuto". Provavelmente mais grave, considerou-O "um parolo do Alto Minho", prevendo aos matosinhenses "a morte cultural" caso o mesmo fosse eleito pela oitava vez. Matosinhos corria assim o risco de entrar, definitivamente, "num processo de corrupção interior completamente irrecuperável". Na queixa constava ainda um sonho do autor sobre um jantar de apoio a um autarca, tratado aí como "macho dominante" e "rei da sardinha assada e da escama". Bem, até eu acho que fui excessivo mas a verdade é que a AACS arquivou o processo. A redenção aconteceu, porém, no dia em que D. Manuel Martins me considerou um "insuspeito jornalista" e incluiu uma passagem das minhas crónicas ocidentais no prefácio de um dos livros de Narciso Miranda. Lamento não ter sido convidado para esse lançamento no qual esteve presente Pinto da Costa, que me considerou, em conversa com Narciso, "um perigoso benfiquista". Sinceramente, não sabia que era perigoso.
Enviar um comentário